Skip to main content
marketing viral

É um viral se faz favor!

Bem ou mal passado? E quer que traga já a conta? Fazer um viral não é entrar numa loja de produtos físicos, escolher algo que satisfaz a nossa necessidade e pagar na caixa à saída.

Muitas vezes nos pedem um vídeo viral, para que o investimento que o nosso cliente está alocar à campanha seja aproveitado da melhor forma possível afim de alcançar os melhores resultados possíveis. Antes de criar um viralzinho é preciso entender o que é um viral e porque é que um determinado conteúdo tem aptidão para ser viral.

Tipos de mídia

Em mídia, há três diferentes tipos: a Paga, a Própria e a Ganha. Todas fazem com que as ações de marca se tornem vistas por mais pessoas e quando as pessoas gostam, as pessoas partilham. Esse é o fundamental princípio que temos que pensar quando estamos a desenvolver um projeto que pretende ser visto por muitas pessoas e, se possível, com o menor investimento.

O que é que as pessoas gostam e como podemos levá-las a que partilhem determinados conteúdos? para isso temos que conhecer o nosso público e determinar comportamentos na audiência. Criar algo muito criativo sobre um assunto e produzir sem medos. Quando, finalmente, decidimos e avançamos para a produção de um conteúdo, aproveitamos desde logo a nossa mídia própria (redes sociais, newsletter, etc) para o distribuir. As pessoas vêem a publicação gostam e partilham, estamos assim a conquistar mídia, a mídia própria de cada uma das pessoas que partilhou. Para amplificar o nosso alcance podemos ainda comprar mídia e chegar assim a muito mais pessoas e depois essas pessoas vêem o conteúdo, gostam e partilham, voltamos assim a ganhar media própria gratuitamente.

Com estes fundamentos racionais é necessário acrescentar elementos emocionais. Quais são para você os elementos emocionais? vou deixar em aberto este post para que possamos discutir nos comentários.

Comente aqui