Skip to main content
encurtador de links

Que tal faturar com um encurtador de links?

No último mês, conteudistas e portais noticiosos do Brasil ganharam uma diferente plataforma de monetização. A startup NoBeta lançou a ferramenta .VC, um encurtador de links que, antes de encaminhar o leitor para o conteúdo que ele busca, exibe uma campanha em tela cheia em poucos segundos, produzida em formato de vídeo ou estático. Desta forma, ela oferece serviços como os do migre.me, bit.ly e goo.gl em formato diferenciado: de mídia paga.

 

Trata-se de uma iniciativa relativamente nova. “Relativamente”, porque versões similares dessa solução já eram aplicadas há algum tempo em websites de conteúdo menos relevante e mais efêmero – e isso é um eufemismo que eu encontrei para descrever sites de torrents, conteúdo pornográfico ou similares. Mas sim, aplicada ao conteúdo da grande mídia, esta é uma solução inovadora.

Um encurtador de links diferente

O que diferencia a ferramenta .VC das que apresentam anúncios mais inoportunos é que ela funciona com base no formato de mídia programática – analisa o histórico de navegação do usuário para determinar a campanha exibida, exclui campanhas que tenham sido ignoradas, etc.

Sites como Meio & Mensagem, adNEWS e STARTUPi noticiaram o projeto e apontam uma expectativa ousada de faturamento para o primeiro ano: R$ 4 milhões. Tal expectativa pode ser assumida com realismo se considerarmos a crise pela qual os veículos de comunicação passam – em especial com investimento em publicidade. O segmento precisa mesmo reinventar suas fontes de renda e, mesmo que neste caso não haja a possibilidade de grandes intervenções criativas com essa plataforma, trata-se de uma nova perspectiva de lucro com o digital.

Resta agora é saber se o leitor responderá tão bem a esta novidade quanto os veículos devem responder. Sites como o LANCENET já adotaram a plataforma e compartilham alguns conteúdos em sua página de mídias sociais usando o encurtador de links. Apostar numa solução que impõe uma “casca de banana” no caminho para o conteúdo pode causar aversão ao internauta ou mesmo reduzir o tráfego para o site. Segundo a NoBeta, a plataforma já passou por um período de testes e o resultado (ao menos para os anunciantes) foi positivo: um fenomenal CTR de 4,6%. Já aos publishers que veiculam links com o encurtador… resta caminhar “no escuro” e torcer pelo sucesso da ferramenta.

Comente aqui

Ricardo Fernandes

Profissional freelancer de conteúdo e RP. Formado em publicidade, pós graduado em marketing e comunicação integrada. Publicitário, marketeiro e escorpiano. São Paulo/SP