Skip to main content

Snapchat: o que falta para as empresas investirem em ações?

O aplicativo Snapchat vem se transformando no queridinho da vez, mas será que as empresas estão prontas para criar ações de marketing?

Considerado uma das tendências do marketing digital para o ano de 2015, o Snapchat vem ganhando força de usuários no Brasil. Não é por acaso, que essa crescente é devido a adaptação que o aplicativo vem fazendo para tornar sua usabilidade mais fácil e intuitiva.

 

Eu sou exemplo vivo disso. Já é a terceira vez que eu instalo o aplicativo (nas outras duas achei bem chato e não sabia usar) e agora confesso que virei um fã dessa mídia social.

Que diabos é Snapchat? Nunca vi, eu só ouço falar.

snapchat evan spiegel
Evan Spiegel, um dos criadores do Snapchat (foto: Mashable)

O Snapchat foi criado e desenvolvido por Evan Spiegel, Bobby Murphy e Reggie Brown, estudantes da Universidade de Stanford. Recentemente, em 2013, recusaram uma proposta de US$ 3 bilhões feita pelo Facebook.

Você sabe como o Snapchat funciona?

Existem duas opções de troca de mensagens pelo Snapchat. Você pode enviar um texto/imagem/vídeo diretamente para algum amigo durante alguns segundos e o mesmo só poderá visualizar apenas 1 vez a mensagem. A outra forma de usabilidade (a que eu mais gosto) é você poder enviar imagem ou vídeo para o ~Minha História~ e o conteúdo ficar disponível durante 24 horas.

Uma funcionalidade bem legal que o Snapchat mostra todo dia é a cobertura de eventos e o cotidiano das cidades do mundo, são as chamadas Live Histories.

Por que as marcas brasileiras ainda não investiram pesado no Snapchat?

Não sei responder claramente esta pergunta, mas acredito que as marcas ainda não foram apresentadas oficialmente ao Snapchat. A princípio, os criadores do Snapchat pensaram em usuários comuns. E de fato, ainda nada foi pensado para as empresas. Certo, tem uma área de Discover, mas elas só mostram algumas notícias, nada de interação ou segunda tela. São anunciantes fixos que devem pagar uma fortuna mensal para divulgar seu conteúdo ali.

A maioria das ações feitas no Snapchat são da gringa, mas eu pesquisei se no Brasil alguma empresa se arriscou a usar o aplicativo e descobri que a Colcci foi a primeira marca a utilizar o Snapchat em uma ação no São Paulo Fashion Week no final do ano passado.

Além da Colcci, o Araguaia Shopping e o Colégio Coteminas também bolaram ações na plataforma.

snapchat facebook araguaia shopping

snapchat cotemig

Pontos positivos para que as empresas anunciem no Snapchat

  1. Um aplicativo em ascensão chama a atenção do público;
  2. É excelente para ações promocionais temporais (Ex: Dia das Mães, Dia dos Namorados, Black Friday, Natal, Carnaval, etc.);
  3. É de graça;
  4. Tem a possibilidade de interação direta com o público;
  5. Excelente para ações relâmpago na área gastronômica ou eventos esportivos;
  6. Fácil utilização pelos usuários.

Pontos negativos para que as empresas anunciem no Snapchat

  1. Pornografia;
  2. Não tem uma plataforma de mensuração e análise de dados;
  3. Não pode ser compartilhada diretamente pelo aplicativo;
  4. Os usuários não podem salvar o conteúdo, exceto print screen, para comprovarem alguma fraude ou erro nas ações;
  5. As atualizações dos usuários/seguidores são automáticas. Caso haja um grande número de usuários divulgando conteúdo ao mesmo tempo, em celulares menos favorecidos, o aplicativo poderá travar;
  6. Não é possível incorporar os snaps em outra plataforma. Diferente do Twitter e do Facebook.

Você investiria no Snapchat como plataforma de ações de marketing?

Sinceramente sim. Como disse minha amiga Renata Renault:

O Snapchat é um app extremamente pessoal e pouco institucional. Se você pensa em utilizá-lo para comercialização dos seus produtos é importante pensar em uma campanha nada agressiva e muito envolvente;

Cabe as empresas pensarem, juntamente com suas agências, em estratégias capazes de atrair a atenção do público, aliando a campanha com ajuda de outras mídias sociais. Afinal, até a Madonna lançou um clipe pelo Snapchat, por que a sua empresa não conseguirá?

Espero que vocês tenham gostado do texto e das referências que deixei aqui. Caso tenham alguma dúvida ou se discordarem de algo, o debate criativo será aberto. Um grande abraço e até a próxima.


Obs: Esse meu texto foi escrito primeiramente no meu perfil do Medium. Aproveita e me segue lá também.

Comente aqui

Thiago Acioli

Publicitário, Pós-graduado em Marketing Estratégico e criador do Publicitários Social Club.