Skip to main content

Sete campanhas que fizeram escola com Dolly

Na última semana, a Dolly quebrou a internet (pelo menos no Brasil) ao lançar sua mais recente campanha. Pela primeira vez, a empresa inovou ao apresentar um vídeo publicitário sem os tradicionais recursos visuais animados – lê-se aqui “animações toscas” – e com presença em destaque de atores que interpretam uma família. A campanha Dolly Família, que traz o mascote Dollynho quase gritando por atenção ao fundo de algumas de suas cenas (sem sucesso), já conta com mais de 1900 compartilhamentos e 4.900 comentários. Em sua maioria, de internautas se queixando da escolha feita pela empresa:

Novo Comercial – Dolly FamíliaA partir de hoje será veiculado o nosso novo comercial. E para você que é nosso seguidor, assista com exclusividade. #DollyOMelhor

Posted by Dolly Refrigerantes on Thursday, February 11, 2016

 

Mas a Dolly não é a primeira a apostar na “tosquice”. Outras marcas optaram por esse caminho – algumas por falta de verba, outras por adequação; algumas sem prestígio, outras já consagradas. Não é de hoje que a propaganda nos proporciona momentos “what the f*ck?!” como as inserções de Dolly na TV. E aqui está uma lista que prova isso:

Achocolatado Zaeli

 

No maior estilo Dolly, vem a campanha do achocolatado Zaeli. Você achava que Dollynho era o único ítem da sua dispensa a ganhar vida em forma de animação de anúncio low-budget? Sabe de nada, inocente. Atenção: a campanha é tão competente, mas TÃO competente, que entrega sua afirmação e conceito em 18 segundos e exibe ainda cenas extras nos 12 segundos restantes. É de tirar o chapéu.

 

Mack Color

 

É inegável que o jingle da Mack Color é um case histórico de sucesso na publicidade e não há ironia alguma nesta afirmação. Já quanto às tentativas de levar o jingle para a televisão não se pode dizer o mesmo.

 

Boston Medical Group

 

Quem não quer gastar com produção e preferir recorrer aos bancos de imagens corre um grande risco de acabar criando uma campanha com cara de Boston Medical Group. O mais curioso neste caso é que embora o anunciante substitua suas imagens nas campanhas de tempos em tempos (como fez em campanha recente), os textos praticamente não mudam – o que é um claro indício de diálogo pífio entre produção visual e redação publicitária. Um parece ser criado sem levar o outro em consideração.

 

Patos Lubrificantes

 

Anunciantes regionais são sempre café-com-leite em análises como essa. Nem sempre a verba permite uma produção digna. Mas essa campanha vale a menção pelo simples fato dela praticamente se anular no seu próprio roteiro. Pensando bem, o vídeo diz muito sobre o perfil do anunciante e sobre a confiança depositada nesta campanha.

 

MSI Laptop

 

Este já é um manjado e hilário case gringo que se tornou viral, feito não para a TV mas para a web. O sucesso aqui também é inegável: são mais de 4 milhões de views e uma série de vídeos na mesma linguagem produzidos para difundir a marca de laptops MSI. A questão é: o largo alcance de um vídeo como esse impacta efetivamente de forma positiva nos resultados de vendas dos laptops?

 

Alphagraphics

 

Hmmm… pensando bem, falando em vídeo para a web, um viral como o da MSI deve vender mais do que esta impecável campanha da Alphagraphics com seus funcionários de outro planeta.

 

Santander Student

 

Aqui o case que melhor resume o espírito do post. Não importa que você seja uma das maiores instituições financeiras do planeta e que você tenha verba para contratar um dos mais bem pagos e bem sucedidos pilotos da Fórmula 1. Quando a ideia é ruim, não tem verba que salve.

Comente aqui

Ricardo Fernandes

Profissional freelancer de conteúdo e RP. Formado em publicidade, pós graduado em marketing e comunicação integrada. Publicitário, marketeiro e escorpiano. São Paulo/SP