Skip to main content

Quem tem medo do Lobo Mau?

Em tempos de florestas obscuras, cheias de árvores e bichos, atravessá-la de maneira segura, sem que o Lobo Mau o pegue, é fundamental para a sobrevivência.

Eu poderia estar falando de um conto muito famoso e divertido, porém, a história que contei acima é o desafio do publicitário em 2016.

O período atual em que vivemos no mercado publicitário é de mudanças, adaptações, reformulações, tudo isso atrelado a cortes e “enxugamento” de estruturas. Isso pode até parecer ruim ou maldoso, mas na realidade trata-se de uma adaptação do mercado, que passa por um momento em que seus clientes (empresas) estão diminuindo suas verbas, repensando suas estratégias e tentando fazer mais com menos.

Com a diminuição do quadro de funcionários, os novos formatos de agência estão mais enxutos e necessitando de profissionais qualificados. O fato é que as agências passaram a valorizar ainda mais os profissionais bem preparados, com visão ampla do mercado da propaganda e de seus clientes. Profissionais com visão estratégica, capazes de se reinventar e realizar múltiplas funções, são bem vistos nesse “novo mercado”, onde fazer mais do que se pede é fundamental para a sobrevivência de todos, seja profissional, agência ou cliente.

É fundamental nos tempos atuais uma maior dedicação do profissional não só ao trabalho, mas a sua formação, buscando conhecimento seja através de cursos, livros, especialização ou algo do gênero, onde o essencial é o profissional estar preparado para sair do óbvio e oferecer novas soluções aos clientes.

Às vezes fugir do natural e ter uma visão única é uma solução para se diferenciar, ou seja, tentar buscar conhecimentos que vão além do mercado publicitário, fazendo cursos em áreas distintas e ter verdadeiramente algo novo a oferecer, sem discurso pronto ou solução repetida.

Ser necessário é a característica que irá ser valorizada no mercado daqui pra frente. Afinal, quem conseguir atravessar a floresta em segurança, não correrá o risco de dar de cara com o Lobo Mau.

Comente aqui