Skip to main content
O ativismo digital nosso de cada dia

O ativismo digital nosso de cada dia

Podemos contar em uma mão a quantidade de campanhas digitais feministas nos últimos dois meses, uma pequena retrospectiva e nos damos conta de que o nosso ativismo digital é importante e necessário. E agora, em clima de final de ano, surge mais uma campanha feminista com o objetivo de relatar no Facebook e Twitter os variados casos de machismo envolvendo homens que fazem parte do seu convívio social. Pode ser pai, amigo, irmão, namorado, ex, primo, chefe… Não importa! A lista infelizmente é grande e está tomando novos absurdos como o racismo, o sexismo e outras formas de preconceito.

 

Do que se trata o #meuamigosecreto?

O movimento além de ser uma atitude política, abre os olhos de quem passa por essas situações sem se dar conta e pode até ajudar homens que um dia foram machistas também sem se darem conta (sim! é possível). Alguns estudiosos consideram o ativismo em redes sociais como a quarta onda do movimento feminista, que teve início no século 19. Eles apontam para uma mobilização fragmentada. Afinal, a luta continua a mesma desde sua origem: a transformação em que o ser humano não seja classificado por seu sexo inicial.

ativismo ativismo ativismo ativismo

De outro lado surge uma nova campanha, tímida, mais ainda assim fazendo um certo barulho. A campanha #MinhaAmigaSecreta vem para relatar também as mulheres, aquelas machistas, sexistas e que podendo ou não sofrer preconceito, também propagam umas besteiras por aí. A mudança é política. As correntes acabam todas andando na mesma direção diante dos problemas que precisam ser enfrentados. Aquelas mulheres que não se dizem feministas se deparam com situações em que têm que se posicionar. Por isso uma palavra tão cara ao feminismo é o empoderamento.

ativismo

A presença do ativismo nas redes sociais

Mas o que podemos aprender com tanta campanha nas redes sociais? Primeiro que política é um troço que está no nosso cotidiano e querer fugir dela é como querer fugir da própria sombra e segundo e não mais importante: você precisa entender  o que está defendendo e estar de um lado. Aqui não tem essa de gostar de Coca-Cola e adorar Pepsi. Perceba que há uns 2 anos atrás o Facebook era só para publicar besteiras, perder tempo com joguinhos e guardar umas fotos suas, hoje a coisa mudou.

Mude também, pare de ser manipulado. Leia, busque informação e aproveite para entrar em uma discussão saudável. Assim podemos quem sabe viver em mundo melhor.

E hoje, dia 25 de Novembro é o Dia Internacional do Combate à Violência contra a Mulher. Qual a sua opinião sobre essa data, heim?

Comente aqui