Skip to main content
empreendedorismo galinha pintadinha

Empreendedorismo? Eis a questão.

* Por Thiago Vieira Consultor de negócios. Contato pessoal: thiagooovs@gmail.com

Empreendedorismo, sem sombra de dúvidas, é um dos assuntos mais obscuros desses últimos três anos. Com o fácil acesso a internet, parece que “empreendedorismo e digital” viraram sinônimos. Entretanto, as pessoas estão esquecendo um ponto fundamental: tudo que acontece no mundo digital, precisa, obrigatoriamente, ser planejado no mundo real para ser bem executada.

Mas antes de prosseguir na relação entre “digital” e “empreendedorismo”, vamos analisar a essência do ato de empreender. O que é empreender?

De acordo com o Google é:

Empreender: a arte de executar.
Empreender: a arte de executar.

Empreender é um verbo. E o verbo, no ponto de vista semântico, contêm as noções de ação. Então conceituando a palavra empreender: é a decisão de realizar algo, executar alguma coisa.

Partindo desse pressuposto, um indivíduo correndo na praia ao final de semana está empreendendo. Empreendedor são todos indivíduos que decidem executar, tentar ou realizar alguma coisa.

Então o indivíduo que trabalha numa multinacional com carteira assinada é empreendedor? Se ele empreende algo, sim.

Conceitualmente, empreendedor, não significa apenas uma relação com o trabalho. Mas com todos aspectos da vida. Ex:. a lâmpada queimou e você trocará. Parabéns, você é empreendedor. Tomou a decisão de realizar algo, executou a ação, trocando a lâmpada.

Mas, o que aconteceu com o empreendedorismo?

É uma questão difícil de explicar, mas claramente há uma distorção. Houve uma gourmetização do verbo empreender, que moldou bonitinho o status de “dono do próprio negócio” para “empreendedorismo”. Hoje ninguém é dono do negócio, hoje todo mundo é empreendedor. Parece bobagem, mas essa mudança de rótulo tem causado sérios problemas para os empreendedores brasileiros, principalmente na percepção do ato de empreender.

Vamos ao números:

• 99% das empresas no Brasil são MEPs ;

• Representam 20% do PIB;

• Representam 58% dos empregos formais;

• 50% fecham em até 2 anos;

• 60% fecham em até 4 anos.

Analisando superficialmente já podemos concluir o papel fundamental dos ‘pequenos e médios’ negócios na construção do nosso país. Sem eles, o Brasil estaria aniquilado.

O que isso significa?

O Estado precisa rever os planos de ensino que, através do MEC, exige que as escolas ensinem. Precisamos de altos investimentos na formação técnica dos empreendedores, que começa ainda lá na ‘pré escola’. Boa vontade, infelizmente, não basta. Nosso povo é um dos melhores do mundo. Somos felizes, gratos, guerreiros, batalhadores, e principalmente, somos um povo trabalhador. Mas se não canalizarmos todas nossas qualidades para o caminho certo, de nada adiantará, desperdiçaremos todo nosso potencial.

De acordo com o ‘Global Entrepreneurship Monitor’, o Brasil é o país mais empreendedor do mundo.

Três em cada dez brasileiros adultos entre 18 e 64 anos possuem uma empresa ou estão envolvidos com a criação de um negócio próprio

Opa. Hoje, somos o país mais empreendedor do mundo, e quando não estávamos na liderança, sempre estivemos bem posicionado na lista dos mais empreendedores. Ou seja, teríamos que ter uma representatividade notável em rankings de relatórios do tipo “empresas mais valiosas do mundo” ou “empresas mais amadas do mundo”.

Relatório Brand Finance — Marcas Mais Valiosas do Mundo
Relatório Brand Finance — Marcas Mais Valiosas do Mundo

Os EUA dominam o ranking das 10 mais valiosas, com 80%.

Em relação as marcas mais amadas, os EUA também lidera com 80% de presença no top 10.

Ter sucesso no mercado não significa vencer uma batalha pela preferência de marca, mas sim, a guerra por sua relevância. — Aaker

Conclusão: o país mais empreendedor do mundo não conseguiu engatar nenhuma grande marca num desses rankings. Nos lembrando o ditado popular: “quantidade não significa qualidade”.

O empreendedor brasileiro empreende com qualidade? Lembrando que, empreender é executar. Melhorando a pergunta: Os donos de pequenos negócios executam suas tarefas com qualidade?

A RESPOSTA É NÃO!

Ah, Thiago. Não é bem assim, muitos podem pensar.

Calma, não sou eu que estou falando, mas os números. Lembra nos dados citados acima? Caso não lembro, trago-os novamente:

• 50% fecham em até 2 anos;

• 60% fecham em até 4 anos.

De cada 10 empresas, 6 fecham as portas em quatro anos.

1. O indivíduo tem uma boa ideia.

2. Cria um bom negócio.

3. Tem bons clientes.

4. Vendem bem.

= E QUEBRA!

Quantas vezes não vemos esse tipo de coisa acontecendo? Lojas perto de nossas casas e ou de nossos trabalhos que vendiam bem, e de repente, da noite para o dia, fecham as portas?

Por exemplo: aquela lojinha de roupa que você está acostumado a frequentar, repentinamente fecha. E na mesa do almoço de domingo questiona com seus familiares: “Nossa, vocês não vão acreditar. Sabe quem fechou as portas? A loja da fulana de tal”. E os questionamentos continuam: “Nossa! Sério? A loja vivia cheia e vendia bem, que coisa não?!”.

A loja era boa, vendia coisas boas, porém, não tinha capital de giro. Não tinha dinheiro para repor o estoque por causa dos pagamentos a prazo. A dona da loja, provavelmente nem saiba o que significa capital de giro.

Ah Thiago, não é bem assim — alguns podem estar pensando. Então vamos lá com mais dados do SEBRAE.

A principal causa da falência das empresas é: FALTA DE CONHECIMENTO TÉCNICO.

46% dos empreendedores afirmam que abriram o negócio sem conhecer os hábitos de consumo dos clientes e o número de clientes que atenderiam;

39% ignoravam qual era o capital de giro necessário para abrir o negócio;

38% desconheciam quantos concorrentes teriam;

55% dos empreendedores não planejaram nada da empresa.

Vamos recapitular.

Empreender é executar. Empreender é ação. Como as pessoas vão executar tarefas que elas não fazem a mínima ideia que existem?

Portanto, utilizar o termo “empreendedor” para referir-se aos “donos de empresa”, é perigoso e incompleto. O empreendedor é um executor. E um dono de empresa, não pode sair executando as coisas apenas por executar. Existe um negócio chamado ADMINISTRAÇÃO. E dentro de uma hierarquia, a administração está acima do empreender.

Em outras palavras, empreender é apenas uma parte do processo de administrar. E um dono de empresa, precisa ser mais do que um simples empreendedor. Precisa ser um administrador.

Inclusive, existe o famoso “CICLO PDCA”: Plan, Do, Chek, Action.

O mercado brasileiro está focando apenas na parte do processo de executar. E então, todos saem que nem boi louco executando. Peter Drucker tem uma frase espetacular sobre essa situação:

Peter Drucker — O Pai da Administração Moderna
Peter Drucker — O Pai da Administração Moderna

Em outras palavras, no cenário brasileiro, os donos de negócios estão realizando processos errados. E por isso quebram.

Empreendedorismo não significa liberdade. É apenas um raio gourmetizador do rótulo “dono do próprio negócio”. Mas quando empacotam numa embalagem bonitinha chamada “empreendedorismo” novas oportunidades de mercado surgem para suprir falsas necessidades. Digo falsas necessidades, porque, de fato, as pessoas não precisam. Entretanto, os fornecedores de tais serviços forçam a barra para vender areia no deserta, ou seja, vender o que as pessoas não precisam. Cria-se um problema na mente da pessoa, e logo depois, vende-se a solução. Seria mais ou menos como o Norton Antivírus desenvolver um vírus para colocar no mercado e começar a vender seus serviços.

Reparem como essas soluções no mercado de empreendedorismo são vazias. É sete dígitos em sete dias aqui. É mindset ali. É colocar dinheiro em carro lá. Virou uma verdadeira putaria que vendem de tudo, menos uma solução real.

As pessoas precisam entender que empreender é executar. E no mercado, cada vez mais competitivo, apenas executar não é o suficiente. Não adianta você ficar cavando um buraco doze horas por dia em frente a sua casa caso não haja interesse de ninguém de comprar esse buraco. Executar por executar é tão maléfico para o indivíduo quanto não executar.

Ser dono do negócio, significa gerenciar todos os processos dentro da empresa. Ser um funcionário, significa realizar tarefas relativas a subprocesso que faz parte do processo. Por exemplo: um dono de uma agência, precisa gerenciar todas áreas: finanças, contabilidade, marketing, relações públicas, jurídica, operacional, etc. Já um funcionário dessa agência, será designado para realizar alguma tarefa dentro de algum processo, por exemplo, o designer cumprirá sua tarefa dentro do processo operacional.

Liberdade está relacionado em seguir a sua vocação. E não em ser dono de uma empresa. É pura balela, papo furado para vender produtos fajutos. O brasileiro tem sido iludido. Hoje o sonho de todo mundo é abrir a própria empresa, porque eles tem essa falsa percepção de liberdade.

Enfim, fizeram uma salada conceitual na cabeça das pessoas que ninguém mais entende nada. Ou seja, qualquer um vira uma presa fácil. Estão vendendo sonhos, um futuro. E muitas dessas pessoas passam a vida sem que nunca esse futuro chegue, porque ficam nadando em círculo sob lideranças maquiavélicas tratando-os como ovelhas. O pastor de ovelhas cuida do rebanho para que nenhuma ovelha saia da rota que ele deseja. Todos precisam abrir o olho para não ser manipulado, isso não tem acontecido apenas na política, mas também, no setor privado. Eu gosto que todos meus leitores sejam pessoas independentes e livres. Não sou pastor de ovelhas, não quero ter rebanho.

Após lerem isso, sejam livres. Vão viver a vida de vocês. Reflitam sobre o próprio futuro. Tem dúvidas que futuro trilhará? Em 2036, como você pretende estar? Para te ajudar a tomar decisões hoje, faça uma carta como se estivesse em 2036 apresentando-se para o seu eu agora, em 2016. E guarde-a perto de você sempre, como se fosse uma bússola.

E atenção: para quem não sabe para onde ir, qualquer caminho serve.

No próximo post farei a relação do empreendedorismo com o cenário digital, como havia dito no começo.

Obrigado a todos.

Abraços e Beijos! ❤

Thiago Viera

Comente aqui