Skip to main content
Democratizar

Democratizar a mídia é democratizar a publicidade

Falar sobre democratização da mídia é também falar sobre publicidade. Hoje, algumas emissoras como a Globo, concentram grande parte da publicidade no Brasil. E essas emissoras pertencem a apenas seis famílias. Elas controlam 70% da imprensa, por aqui.

A conta é simples. Os grandes veículos de mídia vivem, em muito, da publicidade veiculada em seus meios. E grande parte deles se vale de concessão pública para funcionar. Há aí um problema de trato empresa/cliente.

Se uma empresa como a Monsanto, por exemplo, veicula uma boa dose de publicidade em determinado veículo, injetando uma boa quantia no Jornal/TV/Revista, tenha certeza que será bem difícil que esses veículos propagandeiem notícias negativas sobre esse cliente. Mesmo sendo a Monsanto.

Na esfera pública não é diferente. O governo e gestão que veicula boas doses de publicidade em determinado veículo, terá, sem sombra de dúvidas, matérias a seu respeito com viés muito mais positivo. Caso a realidade seja inversa, vocês poderão perceber como a imagem de tal governo irá se deteriorar muito rapidamente diante da opinião pública.

Dessa forma, os grandes veículos de mídia se tornam não só grandes baluartes de sucesso para o setor privado, como para o público, também. E isso é perigosíssimo. A função primordial de um jornal, seja impresso ou televisivo, deveria ser o de informar a verdade. E nunca o de moldar a realidade. Mas é o que esses grandes conglomerados têm feito não só aqui, mas em outros locais do mundo, também.

Em contrapartida, temos hoje a internet, que vem servindo como uma via real de contraponto. A queda da audiência em programas como o Jornal Nacional, é um bom exemplo a se enfatizar.

No fim de março, em Olinda, aconteceu o 3° BloggerPE. Evento que tratou, em muito, sobre a democratização da mídia. Na ocasião, batemos um breve papo com Altamiro Borges, blogueiro (Blog do Miro) e presidente do Centro de Estudos de Mídia Alternativa Barão de Itararé sobre as mídias alternativas, regulação da mídia tradicional e publicidade. Confira o vídeo abaixo:

Comente aqui